+55 11 5225 8113

[email protected]
Aqui você encontrará links para nosso canal no YouTube, com eventos organizados por nossos sócios e advogados sobre diversos temas atuais do universo jurídico e empresarial.

Cortes acertam ao decidir que regra nonagesimal vale para decreto que valeu por um dia

A judicialização do Decreto 11.322/2022 foi tema de reportagem da Conjur, e nosso sócio fundador, Matheus Bueno, foi entrevistado para analisar como a pauta está sendo julgada nas cortes do Brasil. 

No dia 31 de dezembro e 2022, o então vice-presidente, Hamilton Mourão (Republicanos), no exercício da presidência, editou o Decreto 11.322/2022, que reduziu a alíquota do PIS/Pasep de 0,65% para 0,33% e a da Cofins de 4% para 2%. 

No dia 1º, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) revogou o abatimento fiscal por meio do Decreto 11.374/2023. 

Os contribuintes passaram a entrar na Justiça pleiteando o direito de pagar por três meses os tributos na faixa estipulada por Mourão. O argumento é que todo aumento de imposto deve respeitar a regra nonagesimal: a população só passar a pagar o tributo maior depois de 90 dias da lei ou decreto ser publicado. 

As cortes têm dado entendimento amplamente favorável aos contribuintes. Matheus Bueno entende que as decisões estão no caminho certo e ressaltou que, embora o decreto revogado pelo governo Lula tenha tido vigência de apenas um dia, o princípio da anterioridade deve prevalecer. 

“Apesar de ter em tese vigido por apenas um dia, o desconto merece ser preservado, pois do contrário estar-se-ia criando nova regra com base numa suposta não surpresa do contribuinte. Seria, então, cabível a pergunta: se um dia não for suficiente, quantos seriam? O princípio da anterioridade impõe uma regra objetiva que não comporta flexibilidade, e essas decisões reconhecem isso, sempre em favor do sistema como um todo”, disse. 

Para ler a reportagem completa, acesse: Aqui.

Decisão da Receita de obrigar que empresas e trabalhadores provem gastos com home office cria dificuldades indevidas

O portal Infomoney entrevistou nosso sócio fundador Matheus Bueno para uma reportagem sobre a decisão da Receita Federal de que trabalhadores e empregadores têm que comprovar que verbas pagas como auxílio para custear despesas no home office são usadas em gastos que têm a ver com atividade  da empresa. 

A decisão da Receita foi tomada por meio da solução de consulta Cosit 63/2022, publicada no dia 27 de dezembro. O objetivo é evitar que as empresas paguem salário camuflado de auxílio. Isso porque a ajuda com gastos não integra base de cálculo do INSS e não tem incidência de IRPF. 

Bueno entende que o posicionamento da Receita sobre o caráter indenizatório do auxílio e a dedução dos gastos são pontos positivos da Cosit, mas destaca a comprovação das despesas como algo negativo.

“A empresa tem de provar que o funcionário teve o gasto, que está recebendo [o auxílio home office] para aquele uso. A empresa, se quiser ser conservadora, vai ter de pedir essas contas”, afirma Bueno. “Basicamente a empresa tem de guardar esses documentos porque, se um dia a Receita quiser, ela vai ter que mostrar”.

Para ler a reportagem completa, acesse: Aqui

Nova portaria da PGFN desburocratiza uso de precatórios para pagamento de débitos da dívida ativa

O jornal Valor Econômico entrevistou nosso sócio fundador Matheus Bueno na reportagem na qual noticiou a norma da Procuradoria-Geral da Fazenda (PGFN) sobre o uso de precatórios para pagamento ou amortização de débitos inscritos em dívida ativa. 

A matéria informa que a Portaria 10.826, publicada no dia 22 de dezembro estabelece que a PGFN irá aceitar títulos próprios ou adquiridos de terceiros para as transações tributárias.

Bueno disse para a reportagem que a norma é um avanço para desburocratizar o procedimento de cessão de precatórios para a União: se antes era preciso uma escritura de cessão fiduciária, agora é válido apenas uma certidão do valor disponível expedida pelo Poder Judiciário.

“A PGFN segue mais ou menos o que o CNJ [Conselho Nacional de Justiça] já aceita para regular as vendas de precatórios”, disse.

Leia a reportagem completa em: https://valor.globo.com/legislacao/noticia/2022/12/23/fazenda-nacional-regulamenta-uso-de-precatorios.ghtml

TRF-3 veta créditos de PIS/Cofins por gastos com LGPD, mas decisão poderá ser revertida pelo STJ

A decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região de vetar a tentativa de empresas de tomar créditos de PIS/Cofins com gastos para se adequar aos parâmetros estabelecidos na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) foi analisada pela nossa sócia Fernanda Lains em reportagem do portal JOTA. 

Leia Mais